Ministério Público oferece denúncia contra envolvidos na Operação Hércules, que afastou do cargo o ex prefeito de Silvânia José da Silva Faleiro e sete de seus auxiliares

O Ministério Público do Estado de Goiás, através do Dr. Rafaello Boschi Issac, Promotor de Justiça substituto de Silvânia, ofereceu ao Pode Judiciário na semana passada, denúncia contra todos os investigados pela Policia Civil do Estado de Goiás no âmbito da Operação Hércules, desencadeada em 9 de junho de 2.020 e que apurou irregularidades em processo licitatório e contratos firmados entre a Prefeitura de Silvânia e a empresa Empresa Amarilis Prestacional para execução dos serviços de limpeza urbana e que culminou no afastamento do então prefeito, José da Silva Faleiro e sete de seus auxiliares.

A denúncia do Ministério Público ocorreu após conclusão do inquérito policial realizado pelo Delegado de Policia de Silvânia, Dr. Leonardo Barbosa.

No decorrer das apurações dos fatos  foram encontrados indícios de crimes de corrupção, peculato, falsidade e delitos licitatórios.

Segundo a investigação  a empresa recebia por serviços não prestados de coleta de lixo, limpeza urbana e recolhimento de entulho e resíduos sólidos. De acordo com a polícia civil o prejuízo ao erário público é de R$ 386 mil reais.

O Ministério Público ofereceu denúncia contra:

José da Silva Faleiro, prefeito de Silvânia.

João José Diogo Batista, que há época da investigação ocupava o cargo de Secretário Municipal de Administração.

Ruiter Gomes de Sousa, Presidente da Comissão Permanente de Licitação da Prefeitura de Silvânia.

Aparecido Bueno Pinto, que há época da investigação ocupava a Secretaria de Infra Estrutura Urbana.

João Batista Filho, que há época da investigação ocupava o cargo de Secretário de Compras, Patrimônio e Almoxarifado.

Nilson de Freitas Lima, Diretor de Controle Interno.

Nivaldo Percílio Moreira, Pregoeiro e Servidor da Vigilância Sanitária.

Rubens Fernando Campos – Procurador Geral do Municipio

Diogo Rosa de Castro, Kelly Miquelante Oliveira de Castro, Marcelo Rosa de Castro e Sharnelena Tavares Faleiro, este últimos ligados à empresa Amarillis Prestacional.

A denúncia do promotor de Justiça Dr. Rafaello Boschi Issac foi encaminhada no final da semana passada à Juíza da Comarca de Silvânia, Dra. Nathália Bueno Arantes da Costa.

Caberá a ela decidir se aceita ou não a denúncia do Ministério Público do Estado de Goiás. Se a denúncia foi aceitas os denunciados passam a ser réus no processo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *